Portal Verdes Mares - Site de Notícias de Balneário Arroio do Silva e Região

MENU
Logo
Segunda, 25 de outubro de 2021
Publicidade
Publicidade

Policial

Dupla que simulou latrocínio é condenada por homicídio qualificado em Criciúma

Um homem de 32 anos e uma mulher de 54 anos

347
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 

Dupla que simulou latrocínio é condenada por homicídio qualificado em Criciúma

 

Um homem de 32 anos e uma mulher de 54 anos foram condenados, em sessão do Tribunal do Júri da comarca de Criciúma, pelo homicídio qualificado do esposo da acusada, ocorrido em julho de 2019, no bairro Verdinho, na cidade-sede da comarca. A sessão, presidida pelo juiz substi​tuto Guilherme Costa Cesconetto, foi promovida na última quinta-feira (16/9) e durou quase 14 horas.

 

De acordo com a denúncia, a dupla de acusados, que tinha um relacionamento extraconjugal, teria decidido matar o esposo da acusada para poderem manter o seu relacionamento amoroso abertamente. No dia do crime, a vítima foi surpreendida pelos réus ao chegar em casa e atacada por diversos golpes de faca, foice, pedra e martelo, que causaram traumatismo crânio-encefálico, causa de sua morte. Após o crime, a mulher teria levado o acusado até a residência dele e simulou que o esposo havia sido vítima de latrocínio. O homem foi preso três dias após os fatos, ocasião em que confessou o homicídio, e a mulher foi presa quatro meses após o crime.

 

Na sessão, o Conselho de Sentença reconheceu que a mulher praticou homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, e ela foi condenada a 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado. Já o homem foi condenado por homicídio qualificado por meio cruel, todavia o Conselho reconheceu a diminuição de pena em razão do privilégio, uma vez que o crime foi cometido sob domínio de violenta emoção. Ele foi condenado a 10 anos de reclusão, em regime inicial fechado. Aos réus foi negado o direito de recorrer em liberdade, uma vez que suas prisões são necessárias para garantir a ordem pública. Cabe recurso da decisão ao TJSC. (Ação Penal 0004881-53.2019.8.24.0020)​

 

 

Jornalista Fernanda de Maman
 
(48) 98828-6120

Núcleo de Comunicação Institucional
Comarca de Criciúma

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )